Mobilizações do Campo

Desde o início da pandemia, os movimentos sociais do campo vêm se organizando em duas frentes. Por um lado, a crise econômica e sanitária atinge o campo, dificultando o escoamento da produção agrícola e disseminando a doença em áreas desprovidas de ajuda médica. Ao mesmo tempo, os movimentos prestam solidariedade nas cidades. Nesta seção apresentamos iniciativas nas duas frentes: projetos orientandos para ajudar os moradores das áreas rurais contra os impactos pandemia e projetos de solidariedade campo-cidade, em que organizações rurais organizam a doação de alimentos da agricultura familiar para entidades urbanas. Este tipo de iniciativa ocorre no Brasil afora: abaixo apenas alguns exemplos.

INICIATIVAS DE DEFESA DA AGRICULTURA FAMILIAR E DO MORADOR DO CAMPO

Plano emergencial de reforma agrária popular

O MST lançou uma campanha em defesa do Plano Emergencial de reforma agrária popular. Nele estão as medidas necessárias de proteção e produção para garantir condições de vida dignas para a população do campo. Além disso, faz a defesa de como a pandemia está relacionada com o avanço da crise ambiental, a partir da exploração insustentável dos bens naturais. Por isso, defendem ações em torno da preservação ambiental, reafirmando a importância da reforma agrária é garantir o abastecimento com alimentos saudáveis, a preço acessível.

INICIATIVAS DE SOLIDARIEDADE CAMPO CIDADE

Mãos Solidárias

A ação Mãos Solidárias é uma colaboração entre voluntariados, associações e movimentos sociais no combate ao efeito da pandemia, especialmente a partir da distribuição de alimentos nas regiões mais vulnerabilizads de cidades do Pernambuco. É uma iniciativa solidária entre campo e cidade que, junto à campanha Periferia Viva, ja distribuiram mais de 50 toneladas de alimentos produzidos pela reforma agrária popular. O projeto também envolve a formaçao de Agentes Populares de Saúde, com apoio da Fiocruz. Veja cartilha aqui..


Distribuição de alimentos em Curitiba

Acampamentos do MST, produtores da agricultura familiar e o sindicato de petroleiros iniciaram uma ação conjunta com o objetivo de doar alimentos e gás para famílias em Curitiba e Araucárias. Foram doadas 400 cargas de gás de cozinha e 15 toneladas de alimentos produzidos em diferentes acampamentos de todo estado do Paraná e por produtores familiares. No último dia 30 de julho de 2020, o Mídia Sem Terra (no Facebook) divulgou a distribuição desses itens e mais 1100 pães produzidos pela reforma agrária.

MST Distribui alimentos em Aracaju

25 toneladas de alimentos foram doados pelo MST Sergipe. Fotos: Márcio Garcez

Não são poucas as comunidades urbanas no Brasil afora que tem recebido o apoio dos movimentos do campo no combate à fome durante a pandemia. Em Aracajú, por exemplo, mais de 40 entidades receberam alimentos são alimentos produzidos pela Reforma Agrária, Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e Movimento Camponês Popular (MCP).  Este tipo de iniciativa é uma maneira de escoar a produção agrícola impactada pela crise e ao mesmo tempo prestar solidariedade junto com os moradores de periferias urbanas. Confere a notícia aqui.

CPT doa 45 toneladas de alimentos

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) comemorou seus 45 fazendo a doação de 45 toneladas de alimentos. Estes foram produzidos por comunidades camponesas de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. As doações foram destinadas à famílias em situação de vulnerabilidade, à hospitais, presídios, casas de apoio a imigrantes, à crianças e à pessoas em situação de rua e de fome.

Petroleiros e agricultores preparam doação de alimentos e gás em Curitiba e Araucária

A união entre petroleiros e agricultores vai resultar em uma ação de solidariedade a famílias em situação de vulnerabilidade da periferia de Curitiba e Araucária, neste sábado (1). O objetivo é distribuir 400 cargas de gás de cozinha, adquiridas por meio de uma campanha junto aos petroleiros da refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), e 15 toneladas de alimentos frescos, doados por camponeses e camponesas da reforma agrária de cinco municípios, e por produtores familiares de São José dos Pinhais. Leia mais aqui

Lute Como Quem Cuida

O Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) e o Movimento Sem Terra de São Paulo (MST/SP) uniram-se para a produção de quentinhas saudáveis para a população em situação de rua e vulnerabilidade da capital paulista. Informações aqui e reportagem aqui.

CESE + Movimento Camponês Popular

“A CESE juntou-se ao Movimento Camponês Popular (MCP), através da Metodologia Dupla Participação, apoiando o projeto “Alimentos dos camponeses na mesa da população urbana em situação de vulnerabilidade” para contribuir no acesso à alimentação saudável de famílias da cidade Goiânia impactadas pela disseminação da pandemia. Além suprir a fome da população urbana mais vulnerável da capital de Goiás, a iniciativa teve como objetivo garantir uma renda mínima para as famílias camponesas, no escoamento dos seus produtos.“ Encontre informações aqui.

Fonte: Blog Luiz Muller

Doações do MST e do MPA chegam a 3.300 toneladas

Para além das ações que tem sido divulgadas diariamente na televisão de grandes corporações, os movimentos do campo têm dado um grande exemplo de solidariedade. Desde o início da pandemia até agora, o MST e o MPA já doaram mais de 3,3 toneladas de alimentos, contribuindo para combater o maior medo das periferias brasileiras nesse período: a fome. Além das doações, os movimentos têm um papel central que reforça a solidariedade, a agroecologia, a importância dos movimentos sociais e o papel do povo nas ações realizadas. Leia mais aqui.

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close